Contato: henriquecorleone2000@hotmail.com (msn e email)

Sistema Prisional

Sistema Prisional

BLOG DO CORLEONE

Camisas da Polícia Penal

domingo, 19 de abril de 2015

CUSTÓDIA E ESCOLTA:SUAPI DISPONIBILIZA AGENTES PRISIONAIS PARA A POLÍCIA CIVIL.

Sindicato em ação: Após arguição do Sindpol/MG foi resolvido o problema da superlotação de conduzidos, custódia da Ceflan e da Tóxicos.
Na manhã desta sexta-feira (17/04), em reunião conjunta da Superintendência Geral da coordenação da referida superintendência, Núcleo de Gestão Prisional e Suapi, finalmente foi equacionado o problema da superlotação, custódia e escolta de autuados e conduzidos nas Ceflan’s e delegacia especializada de tóxicos. Esse impasse foi instalado após medida da VEC que proibiu a entrada de novos presos no Ceresp da Gameleira em razão da superlotação, e ainda em função da escassez de agentes penitenciários para o cumprimento dessa missão da carceragem anexa à delegacia especializada de tóxicos, o que obrigava aos investigadores a comprometerem as suas atribuições assumindo a função daqueles.
A demanda aportou na direção do Sindpol/MG que imediatamente acionou as instâncias competentes, o assunto foi amplamente divulgado na imprensa levando a Seds, Suapi e PC a juntos buscarem a equação. Na reunião ficou decidido que a Suapi irá disponibilizar os efetivos necessários para o desempenho da custódia e escolta dos presos nas referidas unidades em horário de expediente e plantão, restituindo os policiais civis para a sua função finalística. A direção do Sindpol/MG destaca a presteza e celeridade com que a coordenação da SIPJ, na pessoa da coordenadora Ana Cláudia Perri tratou do assunto com a presteza e acesso de sempre no atendimento as reivindicações no Sindpol/MG e das demais entidades de classe.
Veja abaixo ofícios dos filiados e do Sindpol/MG.

FONTE:http://sindpolmg.org.br/pagina/4198#.VTGXUeNdW0Y


Ofícios

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Deputado Lincoln Portela pede votação e aprovação da PEC 308.

 
Assessoria de Imprensa16 de abril de 2015
 

Nesta quinta-feira (16) o deputado federal Lincoln Portela (PR/MG)discursou em Plenário sobre a importância em votar e aprovar a PEC 308, que cria a polícia penal.

Segundo Portela, na última semana deste mês, os agentes penitenciários de todo o Brasil e os representantes dos Estados estarão em Brasília para sensibilizarem as lideranças da Casa para que a PEC 308 seja colocada em pauta.

“E eu estou aqui com o projeto original, que é de 2004, do deputado Newton Lima, de São Paulo. Já por várias vezes fiz pronunciamentos em Plenário, em liderança de partido, no Colégio de Líderes, sensibilizando também os demais deputados para a necessidade em votar e aprovar a matéria.

“A aprovação desta PEC contribui significativamente para o aperfeiçoamento do sistema de segurança pública vigente no país, uma vez que libera definitivamente os integrantes das Polícias Civis e Militares de encargos de atividades carcerárias.”
“O Ministério da Justiça já havia colocado até um grupo de notáveis para trabalharem sobre a PEC 308. Tenho conversado muito com o Dr. Marivaldo, Dr. Gabriel e Dr. Leandro. Já conversei algumas vezes com o Ministro da Justiça quando fizemos aqui a primeira Comissão Geral sobre segurança pública, 2 anos e meio atrás. Há uma sensibilidade do Ministério da Justiça para a criação da polícia penal.”

“É preciso que esta Casa se sensibilize para a criação da Polícia Penal, para liberarmos ainda mais as Polícias Civis e Militares de todo o Brasil, para que possam assim exercer o seu trabalho com a maior tranquilidade.”

“É importante destacar que não há impacto financeiro para o Governo Federal, não há impacto financeiro para os Governos Estaduais, já que temos agentes penitenciários em todos os Estados. Precisamos dar, sim, a formatação devida e a qualificação devida para esses agentes penitenciários se transformarem em Polícia Penal.”

Pela aprovação da PEC 308 já!

FONTE:http://www.lincolnportela.com.br/site/content/noticias.php?id=2068#.VTF2R-NdW0Y

terça-feira, 14 de abril de 2015

MG:Audiência termina sem acordo e servidores confirmam greve.


Caso não haja negociação até o dia 22, os servidores administrativos e socioeducativos do sistema prisional irão entrar em greve em todo o Estado.


Estado de greve
Servidores participaram em peso da audiência pública na ALMG
PUBLICADO EM 14/04/15 - 13h25
A greve dos servidores administrativos dos Sistemas Prisional e Socioeducativo da Secretaria da Estado de Defesa Social de Minas Gerais (Seds) continua de pé e com data para começar na quarta-feira (22). Na audiência pública realizada na manhã desta terça-feira (14), nada foi resolvido e a categoria continua pleiteando pela valorização da carreira e pelo pagamento do piso salarial.

Segundo o diretor do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Minas Gerais (SindPúblicos), José Lino Esteves dos Santos, a audiência foi positiva, mas terminou sem resultados. “Tivemos todo o apoio de deputados, conseguimos fazer a nossa coalização, no entanto, não nos foi apresentada nenhuma proposta. Só a promessa de que a valorização da categoria irá acontecer ao longo do governo Pimentel”, conta.
Ainda segundo ele, os cerca de 3.600 profissionais administrativos e socioeducativos do Estado não recebem os mesmos direitos e reconhecimento que outras categorias do sistema prisional. “Queremos uma readequação do piso salarial destes servidores que, atualmente, destoa dos outros servidores da Seds. Outras categorias do sistema prisional avançaram ao longo dos anos, mas a nossa categoria ficou pra trás”, explica.
Uma nova reunião foi marcada na Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag), na Cidade Administrativa, para acontecer nesta quinta-feira (16). 
Por meio de nota, a Seds informou que junto a Seplag esclarece que está em contato com representantes dos servidores, incluindo a realização de reuniões com dirigentes sindicais. O órgão também confirmou a reunião que acontece na Seplag nesta quinta-feira e disse que o secretário-adjunto de Defesa Social Rodrigo Teixeira recebeu os representantes do SindPúblicos. 
Ainda conforme a Seds, caso a greve se confirme, o órgão irá negociar com o sindicato uma escala mínima que não prejudique o andamento dos trabalhos nos setores administrativos.

Atualizada às 16h. 
FONTE:http://www.otempo.com.br/cidades/audi%C3%AAncia-termina-sem-acordo-e-servidores-confirmam-greve-1.1024193

terça-feira, 7 de abril de 2015

DECISÃO JUDICIAL: Ceresp da Gameleira não poderá receber mais detentos por superlotação.



Unidade tem atualmente 1.500 presos, apesar de contar com apenas 404 vagas, um número quase quatro vezes maior.

Ceresp da Gameleira tem capacidade para abrigar 404 detentos, mas, ontem, estava com 971 presos
Unidade tem quase quatro vezes mais presos do que a capacidade
PUBLICADO EM 07/04/15 - 16h17
Novos detentos estão impedidos de dar entrada no Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp) da Gameleira, na região Oeste de Belo Horizonte, que tem atualmente 1.500 presos no espaço destinado a 404 pessoas. A medida foi tomada pela Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi) após decisão judicial.
Conforme nota divulgada pela Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), "há um compromisso  com o Poder Judiciário para que a lotação da unidade não ultrapasse a marca dos 1.500 presos que existem hoje no local". O órgão ainda explica que os Ceresp's são considerados a porta de entrada do sistema, onde os presos ficam temporariamente.
"Por isso, têm como característica uma dinâmica de ocupação muito variável e tendendo a superar a capacidade", alegava o texto. Desde o início deste ano, o sistema prisional vem vivendo momentos de tensão, principalmente devido à superlotação. No início deste mês, o presídio Dois Irmãos, em Barão de Cocais, na região Central do Estado, também foi interditado pela Justiça. A sentença foi proferida pela juíza da comarca após um pedido do Ministério Público, e justificada pela superlotação e falta de estruturas na unidade.

Em fevereiro deste ano o mesmo ocorreu na Penitenciária José Maria Alkimin (PJMA) e no Presídio Antônio Dutra Ladeira, ambos em Ribeirão das Neves, na região metropolitana da capital mineira. Em janeiro, presos do Presídio Inspetor José Martinho Drumond fizeram greve de fome e o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) ordenou que 1.400 detentos fossem transferidos do local. A Justiça também pediu a interdição dos Presídios de São Joaquim de Bicas I e II e do Ceresp de Betim.
5 mil novos presos em 2015
Somente desde o início deste ano, cerca de 5 mil novos detentos passaram a fazer parte do sistema penitenciário. Ainda de acordo com a Seds, a atual gestão recebeu o sistema prisional do governo anterior com cerca de 32 mil vagas e 52.814 presos, isto considerando somente as 148 unidades prisionais pertencentes à Suapi. Atualmente as unidades contam com 57.815 presos. Levando em conta os detidos em cadeias públicas e do Poder Judiciário em Apac’s, a população carcerária  de Minas Gerais chega a  67.032 presos.
"São presídios, penitenciárias, incluindo a parceria público privada, casas de albergado, hospitais e um centro de referência à gestante privada de liberdade, além de 4.145 detentos com a Polícia Civil, que, no conjunto, tinham uma taxa de 1,75 preso por vaga", alegava a nota. 
Por fim, a Seds informou que o quadro de superlotação foi agravado pelo crescimento acelerado da população carcerária do Estado em 2015, o que torna a tarefa de administrar o sistema de fato complexa. "Não há soluções possíveis no curto prazo para ampliar o número de vagas. A gestão atual está avaliando as possibilidades de obter recursos para retomar as obras paralisadas no ano passado, logo após o período eleitoral", finalizou a nota.

Atualizada às 18h25
FONTE:http://www.otempo.com.br/cidades/ceresp-da-gameleira-n%C3%A3o-poder%C3%A1-receber-mais-detentos-por-superlota%C3%A7%C3%A3o-1.1020785

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Agentes encontram maconha em garrafa térmica no Ceresp Juiz de Fora.

Resultado de imagem para CERESP JUIZ DE FORA

Substância foi detectada pelo Raio-X, durante o procedimento de vistoria; caso será investigado pela Polícia Civil.


PUBLICADO EM 06/04/15 - 19h26

Agentes penitenciários do Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp) de Juiz de Fora, na Zona da Mata, impediram que uma garrafa térmica contendo maconha entrasse na unidade nesta segunda-feira (6).
De acordo com a Subsecretaria da Administração Prisional (Suapi), havia 650 g da droga escondidas na garrafa, que seria entregue pela empresa terceirizada que fornece alimentação para a unidade prisional. A substância foi detectada pelo Raio-X, durante o procedimento de vistoria.
A Polícia Militar (PM) fez o registro da ocorrência e a empresa será notificada pela Suapi. O caso será investigado pela Polícia Civil.
“A direção-geral da unidade esclarece que não há princípio de motim e as visitas familiares não foram suspensas. A unidade segue a sua rotina normal”, afirmou a Suapi, em nota.

FONTE:http://www.otempo.com.br/cidades/agentes-encontram-maconha-em-garrafa-t%C3%A9rmica-no-ceresp-juiz-de-fora-1.1020410?_u=1

Reunião com a cúpula da Segurança de Minas, SEDS,PCMG E SUAPI.

Direção do Sindpol/MG se reúne com cúpula do governo e da segurança pública e exige reorientação e imediata “troca das cadeiras" e atendimento de pauta da categoria em cronograma de curto, médio e longo prazo.


Na tarde da última quarta-feira, dia 1º de Abril, o presidente do sindicato Denilson Martins, o vice “Toninho Pipoco” e o inspetor José Maria Cachimbinho, se reuniram com o secretário de planejamento e gestão Dr. Helvécio Magalhães (responsável pelo planejamento financeiro do Governo e também pela articulação com o serviço público), e ainda, com o secretário Dr. Bernardo Santana, da Seds, seu adjunto Dr. Rodrigo, e também com o chefe da Polícia Civil Dr. Wanderson Gomes e o subsecretário Dr. Antônio de Padova, para tratar de assuntos específicos da pasta de segurança, pois, existem diversas reclamações por parte dos sindicatos.

Denilson Martins cobrou sobre a necessidade do atendimento da pauta reivindicatória enviada já há algum tempo e que era preciso pelo menos o Governo apresentar um cronograma de curto, médio e longo prazo de possível atendimento, pois, a base tem muita expectativa de mudanças pelo novo Governo. Disse ainda que, sabe dos desafios encontrados pelo governo com a herança maldita e do rombo financeiro deixado pelo Governo passado, mas, que em médio prazo podemos iniciar um processo vigoroso e virtuoso de benefícios para todos, e assim, prestarmos melhores serviços de segurança e cidadania para a população.
Em resposta ao pedido do secretário Helvécio Magalhães na última reunião, para que a polícia mostrasse mais serviço e motivássemos mais colegas na redução dos índices de criminalidade, para que assim o governo continuasse a cumprir os acordos financeiros e de valorização da categoria policial, o presidente afirmou que para isso acontecer com mais eficácia é preciso que a PMMG se dedique mais a prevenção delitiva e não usurpe das funções da Polícia Civil, como tem feito. “Só assim, com uma prevenção eficiente e eficaz teremos menos problemas de crimes pra resolver, tanto a PCMG quanto a SUAPI, podendo então nos dedicar mais a apuração dos milhares de crimes que não foram prevenidos”, afirma Denilson.
Soma-se a isso, o investimento em educação e políticas públicas associadas ao combate permanente ao tráfico e abuso das drogas. É preciso uma reorientação dos gestores, delegados, chefes de departamentos, regionais, inspetores e demais a respeito da linha política do novo governo, e ainda, de uma "troca geral das cadeiras de comando", pois, até hoje os policiais e trabalhadores da segurança estão constrangidos em trabalhar e se submeter à àqueles mesmos chefes que os perseguiram nas greves e prejudicaram todos que denunciaram os desmandos, que lutavam por mudanças no sistema. Chefes que se orientaram pelo modelo Tucano, que usaram da Polícia Civil para interesses políticos escusos e sucatearam da forma que ficou, e também, usaram o assédio moral e ameaças como instrumento de afirmação daquele modelo que quase extinguiu nossa instituição. Assim, milhares de sindicâncias e P.As foram abertos, transferências arbitrárias e perseguições foram perpetuadas sob essa ótica.

O presidente também falou do projeto do código de ética da Polícia Civil e da nova Lei Orgânica, que precisa ser adequada e regulamentada em muitos pontos, da Lei Orgânica dos agentes penitenciários que se encontra parada na ALMG e sem aquiescência e participação das categorias interessadas no assunto, do absurdo da pena de cassação da aposentadoria na Polícia Civil, o que não se pode mais admitir na administração pública, dentre outros assuntos em curto prazo.
O Sindpol/MG já apresentou a pauta contendo a reivindicação da equiparação com peritos e de delegados com defensores. Pois, não se pode abrir mão dessas premissas que foram negociadas em campanha com o Governo Pimentel, mas que, por sermos parceiros, entendemos o quadro atual do Estado deixado pelos Tucanos, assim, “não colocaremos a faca no pescoço" do Governo, mas que é preciso apresentar esse cronograma para a categoria, para sempre manter essa sintonia fina com o governador e companheiro Pimentel, para que essa prática de diálogo, transparência e respeito com os dirigentes sindicais da polícia e demais categorias, seja mantida.

Dr. Helvécio Magalhães ouviu atentamente e pediu aos dirigentes das pastas que tomassem as providências necessárias ali apontadas pelos dirigentes sindicais. E, após ouvir os posicionamentos dos secretários e titulares das pastas afins, deixou agendada nova reunião para avaliar os assuntos pontuados. A direção do Sindpol/MG avaliou a reunião como importante e decisiva para todos. Demonstrando um novo e eficiente modo de governar.
FONTE:http://www.sindpolmg.org.br/pagina/4175#.VSLt8ONdW0Y

'Diagnóstico MG' apresenta dados do balanço do governo de Minas.


Plataforma foi lançada nesta segunda-feira e permite que os cidadãos acessem informações sobre dez grandes áreas, como água, saúde e educação

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Fonte Normal
Diagnóstico MG
Plataforma mostra situação do Estado
PUBLICADO EM 06/04/15 - 16h43
O governo de Minas lançou, nesta segunda-feira (6), um hotsite que reúne dados sobre a situação do Estado atualmente. A plataforma batizada como Diagnóstico MG apresenta o quadro que foi traçado a partir de uma análise da administração estadual.
O site traz dados divididos em 10 grandes áreas: Agricultura, Água, Cultura, Desenvolvimento Social, Educação, Gestão e Obras, Inovação, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Dentro de cada seção, há um texto explicativo que descreve a verdadeira situação encontrada pela atual gestão em cada grande área. Tabelas e infográficos ajudam na leitura e no entendimento das informações.
De acordo com o governo, em breve, os cidadãos poderão interagir com a administração estadual pelo site, para que a população seja ouvida a respeito dos temas, ampliando, assim, o diagnóstico disponível.
Clique AQUI para acessar o hotsite.
Situação ruim
Durante a apresentação das informações na tarde desta segunda, na Cidade Administrativa de Minas Gerais, o governador afirmou que a situação do Estado é grave e disse que os mineiros terão que ser compreensivos com as limitações que a atual gestão irá enfrentar.
FONTE:http://www.otempo.com.br/capa/pol%C3%ADtica/diagn%C3%B3stico-mg-apresenta-dados-do-balan%C3%A7o-do-governo-de-minas-1.1020315
MAIS:

Governador apresenta dados de auditoria nas contas de Minas Gerais.

  Coletiva encerrada
Após falar comos jornalistas, os secretários deixam a sala onde foi realizada a coletiva de imprensa
  Dívidas com o Banco do Brasil
O secretário da Fazenda disse que o repasse do financiamento do Banco do Brasil não foi feito em razão da gestão anterior não ter comprovado os gastos com as mesmas. Segundo ele, R$ 600 milhões não puderam ser gastos por falta de comprovação
  Metrô parado
Sobre as obras do metrô de Belo Horizonte o secretário de Obras e Transporte disse que está em conversa com a CBTU para delimitar como será a linha 1 e só então os novos trechos vão ser discutidos
  Irregularidades na Cidade Administrativa e investigações
O secretário Helvécio Magalhães disse que todos os contratos da Cidade Administrativa estão sendo avaliados pela procuradoria do estado
  Parcerias Público Privadas
Magalhães disse que os problemas encontrados em antigas PPPs não podem impedir novas parecerias
  Gastos com pessoal
O secretário Helvécio Magalhães disse que todos os aumentos consignados por lei serão mantidos e que há um esforço constante para que os pagamentos dos funcionários públicos seja feito em dia. Ele afirmou que no momento não existe margem para dar um pagamento maior aos professores
  Obras paradas
O secretário Murilo Valadares informou que as obras realizadas serão pagas. No início da coletiva Pimentel disse que aproximadamente 500 obras do Estado estão paradas 
  Responsabilidade pelos problemas
Magalhães reforçou que a atual gestão não está buscando culpados e que os problemas passíveis de investigação vão ser encaminhados aos órgãos competentes, que agora terão liberdade para atuar
  Permanência na Cidade Administrativa

Helvécio Magalhães disse que, mesmo com as críticas aos gastos com a Cidade Administrativa, o governo não pretende fazer nenhum movimento brusco em relação a este tema
  Diagnóstico do Estado
O governo de Minas lançou um site para apresentar o que chama de "real situação do Estado". Acesse AQUI.
  Busca por PPPs
O secretário José Afonso disse que vai buscar a realização de parcerias Público Privadas em Minas para realizar obras em Minas. 
  Empresas citadas na Operação Lava Jato em Minas
Magalhães não respondeu a uma pergunta feita sobre as obras realizadas em Minas por empresas citadas na Lava Jato. Mas afirmou que anteriormente a Controladoria do Estado era praticamente inexistente
  Imagens da entrevista coletiva
Veja fotos que nossa repórter Mariela Guimarães fez durante a coletiva:





  Podemos estar errados
Magalhães disse que está aberto a diálogo que mostrem que os dados estão equivocados, mas que não encontrou até o momento dados que indiquem falhas neste levantamento
  Cidade Administrativa
Magalhães disse que os gastos na obra da Cidade Administrativa não geram economia para o Estado e que não gerou economia com o pagamento de aluguel por parte do Estado
  Falta de água no Estado
Magalhães criticou a gestão anterior pela falta de transparência da Copasa em relação a situação hídrica de Minas Gerais. Ele afirmou que mesmo em  São Paulo a população teve acesso a dados mais completos que em Minas. O secretário afirmou que dados em posse da empresa já mostravam estado crítico 
  Remédios vencidos
Dados do governo mostram que na última gestão a falta de planejamento no Programa Farmácia de Minas fez que atualmente o Estado tenha mais de 100 metros cúbicos de medicamentos vencidos
  Saúde
O secretário disse que Pimentel deseja que o problema de acesso ao Samu em Minas seja em breve resolvido, afirmando que o Estado está entre os 3 piores do País na cobertura do Samu
  Saúde
O secretário disse que Pimentel deseja que o problema de acesso ao Samu em Minas seja em breve resolvido, afirmando que o Estado está entre os 3 piores do País na cobertura do Samu
  Professores mineiros
Magalhães destaca os resultados da lei 100 em Minas e diz que o governo Pimentel pretende fazer um esforço orçamentário para fazer valero piso nacional dos professores até o fim do mandato
  Educação
Helvécio Magalhães critica a falta de articulação entre os diferentes graus da educação na gestão anterior. Entre os os números apresentados está o que apenas 26% das escolas de Minas estão em boas condições 
  Problemas nas viaturas da PM
Dados apresentados pelo atual governo afirma que das 11.265 viaturas da PM há 4.562 veículos fora das ruas por falta de manutenção.
  Dados sobre a segurança
Helvécio Magalhães disse que os dados mostram que entre 2002 e 2012, o número de homicídios cresceu 52,3%, quatro vezes mais que a média nacional
  Sem
O secretário Helvécio Magalhães afirma que Minas nunca teve "Déficit Zero", apontando que  foram usados indicadores que não permitiram ao estado ter bom controle sobre os dados do Estado. Ele aproveitou para reforçar a alegação de que a falta de gestão tem entre um de seus resultados a questão hídrica atualmente enfrentada.
  Operações de crédito
José Afonso apresenta dados que, segundo ele, refutam ideia de que as dívidas com a União foram determinantes para as dificuldades encontradas pelo Estado. E diz que o uso de operações de crédito por parte do governo anterior foi um dos responsáveis pelo resultado
  Comprometimento do ICMS
O secretário da Fazenda mostra um gráfico que mostra o comprometimento da receita por meio do ICMS com o funcionalismo público. Ele afirma que o governo perdeu nos anos anteriores a possibilidade de investimento graças a má gestão do ICMS 
  Dívidas antigas
José Afonso diz que a atual dívida do Estado está estruturada no uso de operações de crédito para financiar seus custos. E apresenta dados sobre o aumento de custos com pessoal no poder executivo. 
  Secretários apresentam o diagnóstico de MG
José Afonso Bicalho, secretário da Fazenda, começa a apresentação do diagnóstico do Estado. Ele lembra a situação orçamentária de Minas e apresenta os dados que segundo ele mostram que a deterioração de Minas já vinha ocorrendo nos últimos anos
  De saída
  De saída
Após uma breve apresentação, Pimentel se retira da coletiva de imprensa, assim como fez na prestação de contas feita no mês anterior. Ele alegou agenda de compromissos com lideranças políticas.
  Situação grave
Pimentel diz que a situação do Estado é grave. Ele afirma que os mineiros terão que ser compreensivos com as limitações que a gestão irá passar
  Falta de água

Governador fala sobre o problema da falta de água em Minas, e destaca a falta de planejamento do governo anterior, lembrando que diversos órgãos  eram responsáveis por acompanhar a questão, sem que houvesse uma centralização em uma das pastas
  Sem culpados
Pimentel afirma que a ideia desta apresentação não ė buscar culpados, mas de permitir o início de uma nova forma de administrar 
  Início
Pimentel apresenta neste momento um balanço da administração pública atual. Ele afirma que caso o processo de transição tivesse ocorrido de maneira correta esta apresentação já poderia ter sido feita
  Imprensa em peso
 Grande número de profissionais de imprensa está presente no Palácio Tiradentes
  Expectativa
O governador de Minas, Fernando Pimentel vai apresentar o balanço da auditoria realizada sobre a gestão anterior do Estado. Parlamentares e secretários estão em reunião no Palácio Tiradentes antes do início da coletiva
  Cobertura
Fernando Pimentel está há três meses no governo de Minas.
  Cobertura
Acompanhe tudo conosco em tempo real.
  Cobertura ao vivo
O governador Fernando Pimentel dará uma entrevista coletiva às 15h, na Cidade Administrativa, e apresentará os resultados da auditoria nas contas do governo de Minas Gerais